Zumbido

Possui um zumbido no ouvido e não sabe o que é ou como tratar?

Existe diferentes tipos de zumbido, assim como diversas causas e tratamentos. Saiba detalhes

O que é o zumbido?

O zumbido no ouvido pode ser chamado também de acúfeno ou tinido. É a percepção de um som na orelha ou na cabeça sem que haja uma fonte externa conhecida para este som. O zumbido é um sintoma e não uma doença em si. Só no Brasil, atinge em torno de 28 milhões de pessoas. Há diferentes origens para o zumbido. Em geral, ele está associado a algum ponto do sistema auditivo, mas também pode estar conectado a condições metabólicas, odontológicas ou cardiovasculares. Raramente o zumbido está associado a causas graves e possui formas de tratar na maior parte dos casos. É ideal e indicado que haja um acompanhamento profissional para que o tratamento mais indicado possa ser realizado.

Tipos de zumbido

Existem diversos relatos de percepções do zumbido. Entre elas há descrições como ondas do ar, TV fora do ar, apito, chiado, cigarra, grilo, abelha, cachoeira, motor, sirene, panela de pressão, etc. Há pessoas que dizem ouvir mais de um tipo de zumbido no mesmo ouvido. Independente do tipo, é preciso um acompanhamento profissional.

Causas do zumbido

A maior parte dos casos de zumbido estão conectados à doenças localizadas no sistema auditivo, sendo a perda de audição a mais comum, que mesmo leve, pode causar o zumbido. Há indícios que mostram que alterações nas taxas de gordura e açúcar no sangue, a variação dos hormônios da tireóide, o abuso de medicações, a exposição excessiva a sons altos, problemas cardiovasculares, neurológicos e odontológicos também são fatores causadores do zumbido.

Diagnóstico do zumbido

Para um diagnóstico preciso e personalizado, é preciso conhecer a história da vida do paciente, assim como particularidades, estilo de vida e doenças associadas. Para que seja garantido o diagnóstico exato, é necessária a visita a um médico otorrinolaringologista para que sejam feitos exames e um acompanhamento ainda mais próximo.

Tratamento do zumbido

Como há diferentes causas e o zumbido é variável, não podemos indicar um único caminho para o tratamento. É possível que o tratamento seja medicamentoso ou terapêutico, porém, essa escolha está diretamente ligada aos fatores causais.

Perguntas Frequentes

Perguntas frequentes sobre zumbido

É a percepção de um som na orelha ou na cabeça que não é gerado por uma fonte sonora fora do corpo humano. Ele pode ser de vários tipos: cigarra, TV fora do ar, grilo, clique, asa de borboleta, pulsação etc. Alguns estudos chegam a falar que de cada cinco pessoas no mundo, uma se queixa de zumbido.

O zumbido não é doença e sim um sintoma, mas que na maioria dos casos tem tratamento.

A causa mais importante de zumbido é a perda de audição. Mesmo leve, ela pode gerar zumbido e em 94% dos pacientes com essa queixa a perda de audição é encontrada. Alguns problemas de saúde como taxas de gorduras e açúcares no sangue, alteração nos hormônios da glândula tireóide, problemas do pescoço, da articulação da mordida, medicações, abuso de substâncias como chocolate, chá e café estão entre uma série de causas que podem também causar zumbido. Existem mais de 300 causas e precisam ser investigadas.

Estudos mostram que quanto mais recente é um zumbido, melhor pode ser a resposta ao tratamento. Analisando as causas, podemos atuar diretamente sobre elas. É possível, inclusive, resolver esse zumbido de imediato. Em outros casos mais complexos será ainda mais eficaz o tratamento ainda no início.

Se lembrarmos que zumbido é um sintoma, fica fácil entender que ele não pode causar perda de audição. Pelo contrário, é a perda de audição que é a responsável pelo aparecimento do zumbido na grande maioria dos casos.

O primeiro passo é procurar um médico Otorrinolaringologista para avaliação do ouvido, a audição e o funcionamento desse sistema. A surdez é um dos mecanismos iniciais que fazem com que o zumbido apareça. Associado a isso, outros fatores podem ser adicionados ao aparecimento do zumbido. Passar por um especialista é sempre importante.

Muitos pacientes relatam o aumento da percepção do zumbido nos períodos de maior stress ou quando estão nervosos. Após estes períodos, o zumbido retorna à intensidade basal.

Nos idosos por conta da perda de audição, que é frequentemente encontrada nessa faixa etária. Mas crianças e adultos podem ter zumbido. Não há exclusividade.

Determinados tipos de alimentos podem ter influência na geração e percepção do zumbido. É o caso da cafeína, presente em chás, cafés, refrigerantes e chocolates e também dos açúcares.

Pelo contrário, a orientação é evitar o silêncio, justamente para reduzir o contraste entre o zumbido e a total ausência de som.

A exposição prolongada a sons de alta intensidade podem causar perda de audição, que por sua vez, pode gerar o aparecimento do zumbido.

Em alguns casos, sim. A correção de fatores como abuso de café ou chá pode resolver por completo o zumbido daquele paciente. Mudar hábitos alimentares em pacientes com zumbido e hipoglicemia ou problemas do colesterol podem eliminar o sintoma. Em algumas situações a correção da perda de audição pode resolver por completo o sintoma. Em outros pacientes a cura total pode não ser possível, mas sempre há como melhorar. Incluindo a relação do indivíduo com o seu próprio zumbido e permitindo uma vida tranquila mesmo com ele. Isso sim é possível.

Sim. O aparelho auditivo é uma alternativa muito interessante para o tratamento do zumbido, uma vez que reduz a hiperatividade das vias auditivas provocada pela falta de audição. A terapia sonora é atualmente um das alternativas para o tratamento do zumbido. Uma das mais aceitas no mundo inteiro. Fala-se inclusive da necessidade precoce de repor com aparelhos auditivos a perda de audição que o paciente apresenta. O aparelho de audição a partir da amplificação (aumento) dos sons do nosso meio estimula o nosso cérebro a mudar o jeito que ele percebe os sons. Há um processo de remodelação da área de audição na nossa cabeça, fazendo com que o cérebro deixe de escutar o zumbido. Além dos aparelhos convencionais de audição, hoje podemos acoplar outros sons junto a ele, fazendo com que essa estimulação possa ainda ser mais efetiva, isso é feito com o gerador de som e pode estar no mesmo aparelho de audição.